quinta-feira, 18 de agosto de 2016

Festival Kino Beat apresenta KBEATS Vol.2 - Música Eletrônica Meridional



A coletânea KBEATS - Música Eletrônica Meridional, segue em sua segunda edição com o propósito de mapear e fomentar parte da nova produção de música feita no Rio Grande do Sul. Com um recorte de trabalhos que se utilizam de recursos digitais e eletrônicos em seus processos de criação, a compilação não se restringe a nenhum gênero musical, estimulando e valorizando a pluralidade que emerge das novas tecnologias.


Leia mais em:

loft55.com.br/menos-experimental-e-4x4-mas-mais-coeso-ouca-o-segundo-volume-da-kbeats/

credits


segunda-feira, 21 de março de 2016

Festival Kino Beat apresenta KBEATS Vol.1 - Música Eletrônica Meridional



Através de 16 músicas a coletânea virtual KBEATS Vol.1 - Música Eletrônica
Meridional busca mapear e fomentar parte da nova produção de música feita no Rio
Grande do Sul. Com um recorte de trabalhos que se utilizam de recursos digitais e
eletrônicos em seus processos de criação, a compilação não se restringe a nenhum
gênero musical, estimulando e valorizando a pluralidade que emerge das novas
tecnologias.

A música eletrônica se apresenta de muitas formas, a mais conhecida e acessível,
voltada para as pistas de dança, representada por gêneros cânones como House,
Techno, Disco, e suas variações. Novas vertentes nascidas a partir do fluxo de
informações da internet, como o Vaporwave e o Future Beats. Ainda por influências
experimentais do minimalismo, na desconstrução da canção, no uso de texturas 8-
bits, em fusões afro-brasileiras e no tão amado e odiado funk carioca.

Não é possível afirmar que existe um cenário consolidado e interligado, e tão pouco
uma sonoridade que represente essa nova produção eletrônica no Estado. O fator
em comum entre os artistas reside nas ferramentas e formas de produção, todos se
utilizam do computador como elemento central, seja na captação, manipulação do
som, ou no uso como plataforma para apresentações ao vivo.

Cada produtor, dentro de seu respectivo nicho, representa o novo paradigma do
artista independente no mundo digital, onde a importância da autopromoção e da
formação de micro redes de relacionamento e afinidade, determina boa parte do
sucesso e alcance do trabalho. A ligação com pequenos selos e até a criação de
selos próprios, é outro ponto de conexão entre os artistas.

A coletânea é uma iniciativa do Festival Kino Beat e tem a curadoria de Gabriel Cevallos.

sexta-feira, 2 de outubro de 2015

Cobertura do 2˚ Festival Kino Beat

Um poucos das belas imagens produzidas entre os dias 06 e 09 de agosto de 2015 no Teatro do SESC e Multipalco Theatro São Pedro.

quarta-feira, 19 de agosto de 2015

2ª edição do festival Kino Beat

A segunda edição do Kino Beat aconteceu entre os dias 6 e 9 de agosto, no Teatro do Sesc Centro e no Multipalco Theatro São Pedro. O festival de música e performances audiovisuais multimídia tem a curadoria e idealização do DJ e produtor cultural Gabriel Cevallos, sendo um dos poucos no Brasil que se dedica a inovações artísticas experimentais no campo sonoro e visual. Comparado à edição de 2014, a segunda edição do Festival teve o dobro de dias e três vezes mais atrações: dez, entre nacionais e internacionais, sendo todas inéditas em Porto Alegre. 

Teatro do Sesc Centro - entre 6 e 8 de agosto

A primeira noite do Festival, no dia 6 de agosto, contou com Giuliano Obici e sua performance Laptop Coral, e com Castanha Remix, performance criada a partir do filme “Castanha” de Davi Pretto. Duas atrações distintas entre si, mas que se uniram no sentindo de apresentar ao vivo experimentos de som e imagem. 
A performance do Laptop Coral abriu a noite. Com 12 laptops no palco, as máquinas não só representavam pessoas, mas assumiam sua própria “humanidade” no momento que estabeleceram uma comunicação ruídosa, intercalada com silêncios, cores e códigos, entre elas e com o público. Giuliano não fez as máquinas cantarem como a maioria do público poderia esperar de um coral convencional: ele foi além e fez pulsar um coração em 12 laptops. 

 

Castanha Remix, feita especialmente para o Festival, foi gerida durante três meses por Gabriel Cevallos e Tomaz Klotzel. A performance desconstruiu o filme “Castanha”, de Davi Pretto, criando uma nova narrativa. O ator João Carlos Castanha interpretou partes do filme e improvisou textos de sua autoria. O palco foi transformado em um camarim, onde Castanha se preparava para seu número de dublagem. Enquanto isso, o artista multimídia Klotzel editava e projetava partes do filme e, com uma câmera, captava em tempo real as expressões de Castanha e as ampliava na tela. A performance se revelou uma peça de teatro multimídia melodramática, como o bolero de Tânia Alves que o artista dublou. A performance abordou a relação de Castanha com a mãe, com a morte e seus amores, sempre com seu habitual escracho, pelo qual é conhecido. A tecnologia foi a liga discreta e eficiente que conduziu esse experimento de dar vida, no palco, a um filme, criando uma nova história.

 
 

O músico gaúcho Pedro Dom, acompanhado de uma banda completa no palco, abriu a segunda noite do Kino Beat com o show de lançamento do seu primeiro disco solo. Foi a apresentação musical mais orgânica do Festival: durante uma hora, Dom fez um passeio jazzístico suave e harmônico - na sua maioria instrumental - mas com participações de dois MC's e dois cantores. Mesclou com maestria sua verve acadêmica e sua vivência de rua. Trouxe para o Festival um sentido enorme de amplitude na programação, do tamanho do seu talento.

 

Fechando a segunda noite, o artista multimídia Henrique Roscoe, também conhecido como HOL, apresentou Synap.sys, a apresentação mais densa do Festival. Um completo espetáculo audiovisual, repleto de metáforas e significados subjetivos. HOL controlava, em tempo real, som, imagem e lasers, com destaque para a guitarra midi, construída pelo próprio - com design que remetia visualmente às conexões das sinapses, que dá nome a performance. Alternando batidas retas e quebradas, atmosferas, ruídos e texturas eletrônicas, com o som futurista da guitarra e as imagens fractais, super 8 e outros grafismos, a apresentação foi uma viagem profunda nas emoções do artista mineiro.

 

A terceira e última noite do Festival no Teatro do Sesc começou com a estreia de Valmor Pedretti e Carlos Ferreira, com The Rise and Fall of Ice-Pick Lobotomy. A dupla gaúcha fez uma apresentação contemplativa e instigante: ambos tocaram guitarra, disparando samples e loops, gravando ao vivo ruídos de chaves, latas e frequências de rádio. Criaram uma aura de concerto contemporâneo no teatro, evocando o espírito de John Cage a cada som e silêncio da performance.


O alemão Frank Bretschneider, lenda da música e arte experimental, foi a última atração do Festival no Teatro do Sesc, com uma apresentação audiovisual viceral e pontente. Como um cirurgião, operou com precisão a construção de um espetáculo em que som e imagem tinham total sincronia. A parte musical dominada por interpretações próprias da música urbana global, como funk, hiphop, industrial e techno, saiam retorcidas e com um grave potente das caixas de som. Quando somadas às variações geométricas de círculos e quadrados em centenas de padrões, criaram uma viagem sinestésica eletrônica, digna de um mestre.
 

Multipalco do Theatro São Pedro - 9 de agosto


O último dia do evento aconteceu no Multipalco do Theatro São Pedro, a céu aberto. A ideia era levar para a rua um espectro amplo da produção eletrônica dançante. O DJ gaúcho Castelan, que passeou por Future Beats, house e downtempo, abriu a festa de encerramento do Festival. Logo após o francês High Wolf, que se apresentava pela primeira vez no Brasil, fez a apresentação mais inusitada do dia. Destilou padrões rítmicos complexos e sincopados e, acompanhado de sua guitarra melódica, criou um pequeno ritual afro-asiático na pista.

 

O sueco Baba Stiltz, também pisando pela primeira vez em terras brasileiras, animou a pista com uma mistura de batidas 4x4 cruas e gordas, hipnóticas e minimalistas, e outras festivas e expansivas. Todas pulsavam dos seus discos de vinil e balançavam junto com seus cabelos longos, em uma performance de palco que também fez parte do show. 

A última atração do festival foi o mineiro Zopelar. Cheio de equipamentos no palco, fez uma apresentação ao vivo de techno, uma das principais apresentações live do país. Energético, melódico, atemporal e orgulho nacional, fechou a segunda edição do Festival Kino Beat.


O 2º Festival Kino Beat foi uma realização do Sesc RS em parceria com o Kino Beat
Tudo isso não aconteceria sem nossos apoiadores:
Consulado Geral da França, 
Pejole

Ano que vem tem mais.

sábado, 8 de agosto de 2015

Terceiro dia de Festival

Hoje é o último dia de apresentações no Teatro do Sesc.

























Quem abre a noite é a dupla de Porto Alegre The Rise and Fall of Ice-Pick Lobotomy, composta por Carlos Ferreira e Valmor Pedretti Jr. lança o seu primeiro disco, intitulado “To Phineas, Without Love (or Hate) e faz sua primeira apresentação ao vivo, deste projeto que foi desenvolvido em estúdio durante o ano passado. Mediante procedimentos aleatórios e indeterminados, a dupla se utiliza de guitarras preparadas, pedais de efeitos, theremin, loopers, e texturas disparadas via laptop para criar música contemporânea.

















A última atração no Teatro do SESC é o alemão Frank Bretschneider que apresenta uma performance audiovisual que explora a música eletrônica abstrata e minimalista em sincronia com representações visuais da estrutura rítmica do som. Frank é um dos principais artistas experimentais da Alemanha, depois de estudar artes plásticas e inspirado por filmes de ficção científica, começou a fazer experiências com fita magnética, sintetizadores e guitarras modificadas em 1984, bem como explorar as possibilidades de intercâmbio entre a arte visual e a música por vários meios, tais como cinema, vídeo e gráficos de computador. Frank é fundador da gravadora Raster-Noton referência em música experimental em todo o mundo.

















3º dia de Festival Kino Beat
Dia 08 de agosto, sábado
@ Teatro do SESC 19h
Entrada Franca - ingressos serão distribuídos a partir das 18h (sujeito a lotação)

sexta-feira, 7 de agosto de 2015

Segundo dia de Festival

























Hoje acontece o segundo dia de Festival e quem a abre a noite é o porto-alegrense Pedro Dom, no show de lançamento do seu primeiro disco solo.

















No disco “Livre”, Pedro que é a mente por trás da banda O.C.L.A, mistura o erudito com o popular de forma fluída, seja tocando clarinete e piano, ou construindo as batidas. Pedro tem trânsito livre entre referências e formatos, que vão da música instrumental ao rap, do ambient e do jazz às trilhas sonoras. O disco conta com parcerias de Mamão, da consagrada banda de jazz funk Azymuth, Rapadura Xique Chico, expoente do rap brasileiro, além do trombonista solo da OSPA, José Milton Vieira.

















Quem encerra a segunda noite do Festival é o o mineiro Henrique Roscoe a.k.a HOL com a performance Synap.sys. O artista explora as sensações e sentimentos que de alguma forma passam pela memória, através de abstrações, imagens e sons que fazem parte do processo de formação destas lembranças que durante a vida moldam nossa personalidade e afetividade. Estes são os temas tratados nesta performance audiovisual executada ao vivo através de uma interface criada pelo artista.

2º dia de Festival Kino Beat
Dia 07 de agosto, sexta-feira
Teatro do SESC 20h
Entrada Franca - ingressos serão distribuídos a partir das 19h (sujeito a lotação)

Kino Beat @ Zero Hora

Nessa quinta-feira o Festival Kino Beat foi matéria no Segundo Caderno do Jornal Zero Hora:

























Para ler a matéria completa clique aqui.

Confira a entrevista com o curador e idealizador do Kino Beat no site da Zero Hora:




terça-feira, 4 de agosto de 2015

Wigh Wolf @ Kino Beat

Uma das atrações do evento de encerramento do 2º Festival Kino Beat é o francês High Wolf, que faz sons eletrônicos étnicos e transcendentais desde 2009, e é tão influenciado pela cultura brasileira que brinca ser do Amazonas em seu Bandcamp, mas agora que vem ao Brasil pela primeira vez — começa em Porto Alegre e depois toca em São Paulo e em Brasília.

Confira a entrevista com ele no LOFT55 e saiba o que esperar domingo.

























Para saber mais sobre a programação clique aqui

sexta-feira, 31 de julho de 2015

Tem substituição no line do Festival Kino Beat


 O DJ Beduíno não vai mais fazer parte do lineup de domingo no Multipalco Theatro São Pedro, o motivo é nobre, um trabalho relacionado ao cinema que ele vai fazer nos Eua. Quem substitui é o DJ Castelan. Vem conhecer mais sobre ele no post do LOFT55


sábado, 25 de julho de 2015

Conheça o Multipalco do Theatro São Pedro

O Encerramento do Festival Kino Beat acontece ao ar livre e em clima de celebração no Multipalco do Theatro São Pedro. Sobem no palco:

15h - Castelan (DJ set - Poa)
17h - High Wolf (Live - França)
18h- Baba Stiltz (DJ set - Suécia)
 20h- Zopelar (Live - SP) 

Informações importantes:

A entrada é gratuita e a lotação será de acordo com a capacidade do local.
Haverá bar completo no local, (aceita cartão). obs. Será proibida entrada de bebidas no espaço.
Para confirmar presença e acessar mais informações clique aqui.





Não conhece o espaço? Vem que a gente te apresenta:

Durante as últimas décadas, o Theatro São Pedro ampliou para um importante espaço para a cena cultural porto-alegrense, o Multipalco São Pedro. Juntos, o Multipalco e o Theatro São Pedro formam um dos maiores complexos culturais da América Latina e ocupam um espaço de mais de 25 mil metros quadrados. São inúmeras as salas e teatros que formam o Multipalco, alguns dos quais são utilizados para oficinas, workshops e aulas de música que propiciam inclusão sociocultural.



















Praça Multipalco

Num total de 2, 9 mil metro quadrados, a Praça Multipalco, inaugurada em 2009, compõe o sétimo pavimento do complexo cultural e liga a Praça da Matriz, o Arquivo Público e a Assembleia Legislativa, além do próprio Theatro São Pedro, formando um grande espaço de lazer e cultura para toda a população. Neste ambiente estão localizados o Du’Attos Restaurante Multipalco e a Concha Acústica.

Concha Acústica


















Espaço para espetáculos ao ar livre, inaugurado em 2009, com capacidade para aproximadamente 700 espectadores, construída e idealizada em respeito à memória da antiga Concha Acústica Araújo Vianna – localizada ao lado, onde hoje encontra-se o prédio da Assembleia Legislativa.

Eco Telhado




















Presente no restaurante e nas áreas de recepção do Multipalco, o telhado verde tem como objetivo amenizar o impacto visual gerado pelo concreto e criar maior conforto térmico e urbano.

Visita 360º 

(clique aqui para fazer o tour 360º)



O Festival vai ter o encerramento no domingo, dia 09/08 a partir das 15h na área ao ar livre em clima de festa e celebração.

Informações importantes:

A entrada é gratuita e a lotação será de acordo com a capacidade do local.
Haverá bar completo no local, (aceita cartão).
Será proibida entrada de bebidas no espaço.
Em caso de chuva o local será alterado.
Para confirmar presença e acessar mais informações clique aqui.

quinta-feira, 23 de julho de 2015

"Nascido em 1956 na cidade de Karl-Marx-Stad, na Alemanha Oriental, o veterano artista Frank Bretschneider é praticamente uma instituição da arte eletrônica experimental na Alemanha. Desde 1996, o cara vem desfilando seu trabalho solo de música eletrônica abstrata e minimalista, representada visualmente em suas performances. Cofundador do importante selo Raster-Noton, Frank já viveu sob regime comunista, viu a queda do Muro de Berlim, teve banda de sucesso, viu o boom do techno na Alemanha e já lançou mais de 20 álbuns. No entanto, nunca veio para a América do Sul — até hoje."

Confira a entrevista com Frank Bretschneider na íntegra no LOFT55.

sábado, 18 de julho de 2015

Tudo que você não sabia (ainda) sobre as atrações do Festival

Todos os espetáculos do 2º Festival Kino Beat são inéditos na cidade e os três artistas estrangeiros se apresentam pela primeira vez no Brasil. Vem saber mais sobre cada um:

Giuliano Obici (PR)


























O artista é pesquisador com ênfase em arte sonora, doutor pela Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo e a Technische Universität de Berlim. Teve bolsa do DAAD, CAPES e FAPESP, é mestre em comunicação e semiótica pela PUC-SP e psicólogo formado pela UEM. Além disso publicou o livro "Condição da Escuta: mídias e territórios sonoros" pela editora 7Letras! No 2º Festival Kino Beat ele apresenta seu espetáculo Laptop Coral. Laptop Coral Em sua apresentação no 2º Festival Kino Beat o artista que vai levar para o palco do Teatro do Sesc 12 laptops que simulam um coral de vozes e imagens. O computador é explorado como um estúdio audiovisual, uma plataforma capaz de gravar, transmitir, samplear, editar e sintetizar som e imagem ao vivo.

Castanha Remix


























A apresentação foi idealizada especialmente para o Festival por Gabriel Cevallos e Tomaz Klotzel. o espetáculo apresenta um experimento multimídia com o ator João Carlos Castanha que reinterpreta e improvisa ao vivo partes do filme sobre sua própria vida, Castanha (2014), do cineasta gaúcho Davi Pretto. Simultaneamente o filme é projetado e reeditado em tempo real. O filme Castanha teve première na seção Fórum do Festival de Berlim. Também foi exibido nos festivais de Hong Kong, Copenhagen, Edimburgo e Las Palmas, entre outros. No Brasil, foi à Paulínia, à Mostra de SP e ao Festival do Rio, de onde saiu com o prêmio de melhor filme da seção Novos Rumos. Já estreou na Argentina e tem distribuição assegurada na Alemanha, na Suíça e na Áustria, além da televisão da Espanha. Confira a crítica “Filme Castanha é um marco do cinema gaúcho”, de Zero Hora.

Pedro Dom (RS)

























Pedro Dom é pianista e compositor integrante e idealizador do coletivo musical O.C.L.A, que mistura RAP com jazz e referências da música brasileira. Confira o som da O.C.L.A aqui.

#LoopSessions com O.C.L.A. - Música: Bom Dia feat. Tio Scooby



Henrique Roscoe a.k.a HOL (MG)


























Hol, como é conhecido Henrique Roscoe, tem “um projeto conceitual audiovisual generativo criado pelo artista multimídia. Todas as composições buscam uma correspondência entre áudio e vídeo e elas são executadas em performances ao vivo ou na forma de vídeos e instalações. O projeto é baseado no conceito de sinestesia. Cores, formas e movimentos de cada elemento são sincronizados com notas, harmonias e ritmo. Som e imagem têm exatamente a mesma importância e são gerados ao mesmo tempo ao se tocar cada nota no teclado, através dos instrumentos específicos construídos em software”. Confira mais aqui.

Confira a performance Synap.sys no festival multiplicidade 2014.



The Rise and Fall of Ice-Pick Lobotomy (RS)


























A dupla de Porto Alegre é composta por Carlos Ferreira e Valmor Pedretti Jr. e está lançando o seu primeiro disco, intitulado “To Phineas, Without Love (or Hate)”. Faz sua primeira apresentação ao vivo, deste projeto que foi desenvolvido em estúdio durante o ano passado, no 2º Festival Kino Beat. Com procedimentos aleatórios e indeterminados, a dupla se utiliza de guitarras preparadas, pedais de efeitos, theremin, loopers, e texturas disparadas via laptop para criar música contemporânea. Ouça mais aqui.


Frank Bretschneider (Alemanha)


























Frank é um dos principais artistas experimentais da Alemanha, depois de estudar artes plásticas e inspirado por filmes de ficção científica, começou a fazer experiências com fita magnética, sintetizadores e guitarras modificadas em 1984, bem como explorar as possibilidades de intercâmbio entre a arte visual e a música por vários meios, tais como cinema, vídeo e gráficos de computador. Frank é fundador da gravadora Raster-Noton referência em música experimental em todo o mundo. Confira entrevista que fala sobre a residência artística no EMS de Estocolmo, sintetizadores analógicos e processos criativo.

Live transmediale CTM

Grupo de eletropop dadaísta formado por Frank no começo dos anos 80 na Alemanha Oriental quando já fazia experimentos audiovisuais.

Frank ao vivo no festival Mutek

Castelan



Castelan, catarinense radicado em Porto Alegre È a voz da NAS. Apresenta semanalmente o NAS Radio Show e lidera boa parte da curadoria do selo. Suas produções flertam com diversos estilos: Chill out, house e até trap. Como DJ, seus sets seguem a mesma versatilidade, tornando-o destaque tanto ao vivo como produzindo. Acaba de lançar em parceria com a THUMP, "Terceiro", seu mais novo EP que conta com 3 faixas, flertando inclusive com beats de boom bap. Anteriormente havia lançado o full-lenght "Uma Data", com nove faixas e boa recepção da crítica especializada. Ouça mais:




High Wolf (França)


O artista francês vem para o 2º Festival Kino Beat com o apoio da Aliança Francesa e do Consulado geral da França em São Paulo. A música dele tem inspiração de vários lugares do globo como Índia, Nepal, Ásia Central e África. Confira o review do novo disco do músico.

Ouça o disco novo aqui.

Clipe do single Wild at Heart

Ao vivo no Dal Verme Circolo, em Roma

Baba Stiltz (Suécia)


O artista sueco vem ao Brasil com o apoio da Embaixada da Suécia. É um precoce e talentoso DJ e produtor musical, natural de Estocolmo, que fez a sua primeira música no jardim de infância e lançou o seu primeiro disco aos 15 anos. No alto dos seus 21 anos, Baba já é um produtor veterano, produziu todos os estilos possíveis de música, desde Skweee (funk sueco) hip hop, house e dub. Baba produziu alguns dos principais novos artistas da Suécia, como o rapper Yung Lean e a cantora de R&B Mapei.

Confira a entrevista com Baba e o mix que ele preparou para o Redbull Musica Academy, que definiu o mais novo “recruta” do Studio Barnhus como parte da orgulhosa tradição de artistas de house e techno que pensam fora da caixa emergindo da capital sueca.




Edição da New Faces on Electronic Beats que viajou até Estocolmo para conhecer Baba Stiltiz, definido como um jovem produtor, super talentoso e com um background de ballet clássico.

Yung Lean - Lemonade (feat. Baba Stiltz)

Zopelar (MG)


Pedro Zopelar é mineiro, Bacharel em música pelo CBM, Conservatório Brasileiro de Música (RJ), compositor, arranjador, multiinstrumentista, DJ e produtor musical. A paixão por sintetizadores e a necessidade de simplificar sua linguagem musical por um propósito artístico foram fatores decisivos para que Zopelar iniciasse uma carreira na música eletrônica.

Skol Beats Factory - Factory Meets: Zopelar

Club Music


Zopelar LIVE at Redbull House Rio de Janeiro
Zopelar LIVE at Redbull House Rio de Janeiro from Zopelar on Vimeo.

 Os ingressos para o 2º Festival Kino Beat são gratuitos e serão disponibilizados uma hora antes de cada evento na bilheteria do Teatro do Sesc. No dia 09 (domingo), o Festival acontece no Multipalco onde a entrada também é gratuita, porém será respeitado a lotação máxima do espaço. A dica é chegar cedo e aproveitar toda a programação.

Teatro do Sesc 
Dia 06 e 07/08 início 20h
Dia 08/08 início 19h

Multipalco 
Dia 09/08 início 15h até as 21h
(Não haverá retirada de ingressos, a lotação será conforme capacidade do local)


(Distribuição dos ingressos 01 hora antes do início do evento)


Confira aqui a programação completa.

sexta-feira, 17 de julho de 2015

Entrevista: The Rise and Fall of Ice Pick Lobotomy

"Valmor Pedretti Jr. e Carlos Ferreira são dois músicos gaúchos experientes que fazem parte de uma cena de música experimental em Porto Alegre. O primeiro é mais conhecido como baterista na banda URSO e produtor musical, enquanto o segundo toca guitarra na Quarto Sensorial; juntos, compõem The Rise and Fall of Ice Pick Lobotomy — que, como a complexidade do nome sugere, também é experimental até o talo, mas bem mais eletrônico que os projetos anteriores, que são mais ligados ao rock."

Confira a entrevista com The Rise and Fall of Ice Pick Lobotomy na íntegra no LOFT55.

terça-feira, 14 de julho de 2015

5 razões para não perder o Festival

1 - Ele é gratuito Os ingressos para o 2º Festival Kino Beat são gratuitos e serão disponibilizados uma hora antes de cada evento na bilheteria do Teatro do Sesc. A lotação do espaço é de 250 pessoas e a dica é chegar cedinho. Confira os horários. No domingo, a lotação será de acordo com a capacidade do Multipalco.

2 - As atrações nacionais são inéditas em Porto Alegre O paranaense Giuliano Obici, apresenta seu espetáculo Laptop Coral. Pedro Dom lança seu primeiro disco solo. O ator João Carlos Castanha se apresenta em uma performance pensada exclusivamente para o festival, Castanha Remix. Além do Mineiro HOL, da dupla The Rise and Fall of Ice-Pick Lobotomy e do DJ Mineiro Zopelar.

















3 - As 3 atrações internacionais são inéditas no Brasil O alemão Frank Bretschneider, o francês High Wolf e o sueco Baba Stiltz vêm pela primeira vez ao país. Confira a programação completa aqui.



















4 - É um festival que oferece o conforto de um teatro com qualidade de som e imagem de primeira O Teatro do Sesc tem ambiente climatizado e é equipado para espetáculos teatrais e musicais com sonorização, iluminação cênica e equipamentos de projeção. Relembre como foi no ano passado.










5 - O último dia acontece em clima de festa, ao ar livre, em um espaço nobre da cidade A área externa do Multipalco Theatro São Pedro tem um dos projetos arquitetônicos mais interessantes da cidade.






Confira as imagens em 360º do Multipalco.

Os ingressos para o 2º Festival Kino Beat são gratuitos e serão disponibilizados uma hora antes de cada evento na bilheteria do Teatro do Sesc. No dia 09 (domingo), o Festival acontece no Multipalco onde a entrada também é gratuita, porém será respeitado a lotação máxima do espaço. A dica é chegar cedo e aproveitar toda a programação.

Teatro do Sesc 
Dia 06 e 07/08 início 20h
Dia 08/08 início 19h

Multipalco
Dia 09/08 início 15h até as 21h
(Não haverá retirada de ingressos, a lotação será conforme capacidade do local, em caso de chuva o local será alterado)

(Distribuição dos ingressos 01 hora antes do início do evento)

segunda-feira, 13 de julho de 2015

Apoios 2º Festival Kino Beat

O 2º Festival Kino Beat não aconteceria sem a realização do SESC-RS em parceria com o Kino Beat. Além disso, foram indispensáveis os apoios da Aliança Francesa de Porto Alegre e do Consulado Geral da França em São Paulo, que ajudaram a trazer o High Wolf; da Embaixada da Suécia em Brasília, que ajudou a trazer Baba Stiltz; da H. Mídia e da Pejole na confecção e disponibilização dos dois Front Lights; e do LOFT55, nosso media partner. Obrigado a todos!

sexta-feira, 10 de julho de 2015

Saiba como garantir seus ingressos para o 2º Festival Kino Beat

Os ingressos para o 2º Festival Kino Beat são gratuitos e serão disponibilizados uma hora antes de cada evento na bilheteria do Teatro do Sesc. A lotação do espaço é de 250 pessoas e, a dica é chegar cedinho, a abertura de cada dia será com um DJ no Café do Sesc, conforme a programação abaixo:

























No dia 09 (domingo), o Festival acontece no Multipalco onde a entrada também é gratuita, porém será respeitado a lotação máxima do espaço. A dica é chegar cedo e aproveitar toda a programação.



Teatro do Sesc
Dia 06 e 07/08 início 20h
Dia 08/08 início 19h

Multipalco 
Dia 09/08 início 15h até as 21h (não haverá retirada de ingressos, a lotação será conforme capacidade do local).

(Distribuição dos ingressos 01 hora antes do início do evento)


Confira aqui a programação completa.